sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Sentidos desperdiçados

Um a um vão se desabotoando as presilhas, dedos enfiados na carne para botar a alma à mostra. Desce o zíper da pele para olhar bem fundo no peito. Ei, olha só! Quanta coisa para se ver aqui dentro de mim. Me dá essa faca preu abrir melhor e espaçar os órgãos para te mostrar. Tá vendo? Me revelo para você, minuto a minuto. Você nem enxerga. Nem percebe. Ah! Descobri uma dor nova, vem apreciá-la comigo? Tá vendo como tá enraizada no peito? Ali escondida, atrás de tanta lembrança. Não vê? Veja só, acabei de relembrar esse trauma. Achei que já tinha sido superado, mas que nada, tava ali, atrás da poeira do dia a dia. O quê? Ocupado demais para perceber? Quantos preconceitos! Caramba, quanto machismo. Credo, que horror! Tantos lugares comuns, e essas frases feitas? E esse pensamento rasos? Olha só, esse monte de hipocrisia bem na minha cara. Tudo aqui. Descoberto para você me ver. E você continua ai, sem me ouvir, sem me ver. Enxergando esse monte de pele, parando onde os olhos chegam. Escutando só o vazio. Tocando só o concreto. Inalando só o perfume sintético. Supérfluo.