segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Ciclo

Olhos fechados e braços rente ao corpo.
Sugou com força o ar para dentro dos pulmões, liberando o bem devagar enquanto apertava os dedos de encontro a mão. Apertou tão forte que as unhas quase cortaram a pele.
Abriu os olhos, sabendo o que veria logo a frente. Uma lágrima cortou a face enquanto os lábios se contorciam em um sorriso.
Olhou aquele monstro metálico e virtual a sua frente. Sugou o ar mais uma vez, dessa vez, soltando rapidamente, relaxou as mãos e foi-se.
Subiu a escadaria sem medo, sem pensar muito.
Deixou para trás a placa de boas vindas que gravava o nome da amiga de outrora: Montanha Russa de Sentimentos. Aquela que tirava seu chão, sugava seu oxigênio e lhe ensinava a força o que precisava aprender.
Ria enquanto prendia o cinto, achava engraçado como algo tão infantil a jogava de encontro ao crescer.
O tilintar do metal se misturava ao seu riso, eram as engrenagens enferrujadas começando a se movimentar. Começava mais uma viagem...

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Pseudos Sorrisos

Não mexeu um músculo sequer, apenas prendeu a respiração e sorriu, imóvel. Foi singelo, tímido, mas ainda assim um sorriso, não daqueles que iluminam e preenchem a face, mas sim um sútil brilho nos olhos.
Com força soltou a respiração e relaxou os braços, mas manteve os olhos brilhantes de sorriso e, sem perceber, arcou os lábios. Sem mostrar os dentes, os lábios acompanharam os olhos. O sorriso aumentou, sem ainda ser um grande sorriso.
Preencheu os pulmões de ar mais uma vez e, dessa vez, lentamente soltou o ar.
2010 ia ser um ano bom. Um ano difícil, mas bom.