quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Poesia em tecido

Houve um tempo em que meus olhos brilhavam só de ler uma linha qualquer bem escrita, e um arrepio frio percorria minha pele quando essa linha era minha.
Era um tempo em que escrever era mais que prazer, era necessidade. Minha mente viajava em busca de um novo tema, que nem sempre alcançava. Mas ela não parava até sujar uma folha, mesmo que com palavras desconexas.
Hoje essa necessidade não é tão forte, mas existe. E junto dela uma outra vem se instalando, essa necessidade não deixa minhas mãos ficarem quietas, me joga um peso no peito e um vazio no estômago.
Nasci com essa sede de criar, e o que antes era letra, tornou-se linha. Essa linha vem me cobrando atenção, e ela não quer só um rabisco virtual. Ela quer trabalho duro, quer meus dedos concentrados em uma dança de agulhas, acompanhadas do créc-créc da tesoura pelo tecido.
Preciso sentir o cheiro da criação: tecido, papel, linha, cola. Ouvir os dedos roçando em texturas. Encher os olhos de cores e estampas. Preciso criar.

Enquanto não consigo, assisto:
Mundo das Matildes
Malagueta Craft

4 comentários:

Carol disse...

Rô, assim como vc eu tb achava que não conseguiria. Eu não sabia pregar um botão. E tudo começou em uma tarde de ócio: por que não tentar? Como vc, eu adorava ver as coisas. Mas só via e ficava pensando: eu queria tanto fazer isso. Um dia, entrei em uma aula no Sesi junto com a 3ª idade para aprender patchwork. A máquina de costura parecia que ia voar. Riam de mim, e eu me divertia. Se vc visse as 1ªs Matildes que fiz, e as que faço hoje... posso te dizer que basta tentar. Vc vai errar, xingar, pensar em desistir. mas depois quando ve que conseguiu e ha pessoas como vc que nos alegram com seus elogios, que me fazem pensar: Valeu a pena tentar.
um bjo e mto obrigada,

Victor Carvalho disse...

Sinceramente? Você criou um "conto desabafo" para o fato de fazer tricô. Ou crochê. Ou sei lá o que.
Isso é genial.

Camilla disse...

Olha só, também gosto de criar. Já bordei um bocado nessa vida(falo como se fosse uma velha de 90 anos). É realmente muito bom entrar em contato com atividades que adubam a nossa criatividade.

Beijos, Rô!

Vitória disse...

Necessidade de criar, vontade de fazer cada vez melhor, aprender sempre mais. Tentador.