segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Viver da arte

Acordar e começar um novo roteiro, abrir os olhos e permitir que a poesia os ilumine mais uma vez. Levantar em uma coreografia sem ensaio, andar flutuando, sem tocar o chão, acariciando as nuvens.
A roupa vestida, um quadro. Cada olhar mais atencioso e delicado, uma fotografia.
Os trajetos diários: curtas, longas, ou videoclipes da música silenciosa que ronda sua mente, que cantarola como se fosse um clássico que acabou de nascer.
Tocar o mundo e sentir a textura, sentir o pulsar da pedra fria e, o calor do tronco da árvore. Esculturas vivas, que mesmo imóveis respiram.

Relatos imaginários ou não de uma artista frustrada, que se não pode criar tenta viver dentro da arte, tentando ser a Arte. Criando personagens que consome, que a consomem, personagens que se consomem... personagens tão irreais que se tornam um pedacinho da sua realidade inventada.

2 comentários:

 Fabíola Weykamp disse...

Fico encantada toda vez que aqui passo. Senti uma falta imensa de te ler nesses últimos tempos. Essa corria de faculdade acaba com qualquer criatura, inclusive, criaturas do meu tipo: que se cansam fácil.

Gostei da mudança do dia 30 para 07 de Agosto. Senti-me feliz junto de tuas palavras.

E aqui, neste que comento humildemente, não vejo nada de frustração. Vejo um brilho enorme que brota de meus olhos cada vez que os desliso sobre as tuas palavras, significando que te sinto arte. Palpável, doce e que transcende qualquer interpretação que eu possa vir a fazer. E essa delicadeza toda: é pura arte.

Aih! Que saudades daqui, do teu canto que me encanta sempre.

Bom te sentir feliz.

Um beijo enorme, Rô!!!

Lilian C. disse...

Gostei muito do seus posts, sao um poucos extensos mas q dizem muita coisa bonita viiu. Parabens e sucesso com o blog ~~ Beeijos :D