quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Reflexos da dualidade

Às vezes ela volta, posso vê-la em reflexos durante o dia, em flashes na minha mente. Vem acompanhada de suas facas manchadas de sangue, os olhos marcados por lágrimas que não cairam.Ela tem aquele riso irônico que posso encontrar em espelhos, e sinto de longe sua alma pesada. Todas as culpas de uma assassina. Em sua pele todas as maldições cravejadas pelos séculos passados.Ao seu lado a garotinha de vestido branco brinca com o vento, sente a brisa e sorri, sorriso de criança. Os lábios se curvam inocentemente, não reconhecem a maldição, a pureza da idade a livra das culpas do passado e futuras.A vida que emana de uma contrasta com a paixão pela morte da outra. Contrastes, limites, instintos. Ser tantas e nenhuma.
Passado?!

0 comentários: